De 21 a 25 de Outubro/2012 | Canela RS

Notícias

Música gaúcha: Nelson Coelho de Castro e Gelson Oliveira

Clique para ampliar

Nelson Coelho de Castro e Gelson Oliveira

Dois expoentes da música gaúcha marcam presença na FESTA NACIONAL DA MÚSICA 2012. Nelson Coelho de Castro e Gelson Oliveira confirmaram participação no evento da Serra Gaúcha, programado para 22 a 25 de outubro. Autores de grandes sucessos musicais, eles são a garantia do melhor da música produzida no Estado.

Nelson Coelho de Castro faz parte da geração dos grandes compositores gaúchos surgidos nos anos 1970. Depois de participar de várias edições da Festa Nacional da Música e ser homenagado em 2010, o artista gaúcho volta este ano ao maior evento de música da América Latina.

Em 2010, ele lançou seu sexto disco solo, “Lua Caiada”. No repertório do CD estão sambas, ciranda, samba de roda, valsa brasileira e outros gêneros. A faixa "Lua Caiada" é o tema ciranda de Nelson, que dá nome ao disco, e “Noite Vazou Encantada” é um dos sambas mais populares do compositor. No disco, o coro que é legado ao público fica com um time de vozes para ninguém botar defeito: Bebeto Alves, Bibiana Morena, Gelson Oliveira, Juliano Barreto, Leonardo Ribeiro, Marcelo Delacroix, Marisa Rotenberg, Monica Tomasi, Raul Ellwanger e Suzana Castro e Souza.
Nelson Coelho de Castro nasceu em Porto Alegre no dia 17 de abril de 1954. A vocação pela música vem de casa: escutava desde pequeno a mãe cantarolar clássicos da MPB via Rádio Nacional e o pai a tocar gaita de boca com os tios. Nas Rodas de Som, projeto de Carlinhos Hartlieb, de 1975, Nelson fez sua estreia como compositor.

Em 1976 participou dos Festivais Universitários da PUC. Com a música “Futebol”, recebeu o Prêmio de Originalidade. No mesmo ano em que se forma em Jornalismo – 1977 – realiza seu primeiro espetáculo E O Crocodilo Chorou, ao lado do seu grupo Olho da Rua e dirigido por Luciano Alabarse. Dois anos mais tarde, as canções "Rasa Calamidade" (sobre a miséria e altivez da Vila Cruzeiro do Sul de Porto Alegre) e "Águias" fizeram parte do primeiro registro fonográfico de seu trabalho através do LP, histórico, o coletivo Paralelo 30, produzido pelo jornalista Juarez Fonseca.

Em 1979, Nelson Coelho de Castro lançou seu primeiro compacto, Faz A Cabeça e, entre 1980 e 1981, produz e lança o primeiro disco independente produzido no RS, Juntos, um marco na música gaúcha e que influencia outros compositores neste segmento alternativo. Este trabalho foi relançado em CD em 1996. Já em 1983, grava o LP Nelson Coelho de Castro (RGE), o sucesso "Vim Vadiá", marcou época. No mesmo ano em que vence o 1º Festival Latino Americano da Canção – Musicanto. Recebe o Prêmio Tibicuera com o musical infantil "Cidade do Lugar Nenhum"; participa da trilha sonora do filme Verdes Anos, com a canção "Armadilha" e ganha o título de Personalidade do Ano pela crítica especializada.

Com o disco Força D'água (Ariola), em 1985, tem seu primeiro lançamento nacional. Ainda nesta época recebe o Prêmio Açorianos – Melhor Trilha Sonora para Teatro – para a peça o Doce Vampiro, de Carlos Carvalho. Foi um dos fundadores da Cooperativa dos Músicos de Porto Alegre sendo o primeiro presidente de 1987 a 1989. Em 1991, fez parte do espetáculo Compor Canta Lupi, em homenagem a Lupicínio Rodrigues, resultando em um LP, onde ele canta "Esses Moços".

Em 1996, inicia a gravação do quarto disco de sua carreira: o CD Verniz da Madrugada. O trabalho conquista três Prêmios Açorianos: Melhor Disco do Ano, Melhor Compositor e Melhor Disco de MPB. Com o show "Juntos Ao Vivo" – com Bebeto Alves, Gelson Oliveira e Totonho Villeroy – conquista o Prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo do Ano de 1997 e Disco do Ano e Disco de MPB em 1998.

Em 2000, lança o CD Coletânea, com músicas de seu segundo e terceiro discos pela gravadora Barulinho. É selecionado para o projeto "Itaú - Rumos Culturais, Cartografia Brasileira". O Projeto lança uma coleção chamada "Cartografia Musical Brasileira", de dez CDs divididos regionalmente, que estabelece uma amostragem de 78 artistas e grupos independentes (sejam novos ou veteranos), abrangendo variadas vertentes da música popular e instrumental. Sob patrocínio do Itaú, o pacote é viabilizado comercialmente pela associação de dez gravadoras independentes espalhadas pelo Brasil inteiro. Nelson participa com as faixas "Ele Vem de Manhã" e "Colombina".

Em 2001 sai o CD Da Pessoa (Fumproarte), pelo qual recebeu novamente o Prêmio Açorianos de Música. Tem 15 músicas, todas de autoria de Nelson (apenas uma, “Pérola no Veludo”, é em parceria com Cezar Ulysses Coelho de Castro). Várias delas têm menos de um minuto, podendo até ser definidas como vinhetas. Mas é importante notar que elas não são brincadeirinhas, como geralmente as vinhetas são. Um dos destaques do disco é “Futebol”, música com a qual Nelson Coelho de Castro venceu o prêmio de originalidade no festival Musi-PUC em 1977. A instrumentação típica do samba é usada sem que se configure o ritmo de samba, enquanto na letra o compositor fala de dribles e impedimentos – metáforas à ditadura, para enganar a censura dos militares.

Além de Nelson (voz e violão), o disco tem a participação de Edílson Ávila (guitarra e violão), Mário Carvalho (baixo), Michel Dorfman (teclados) e Fernando do Ó e Giovani Berti nas percussões. A parceria com Bebeto Alves, Gelson Oliveira e Totonho Villeroy foi repetida em 2002, quando fizeram uma turnê pela Europa (Paris, Viena e Munique) para o lançamento do CD Povoado das Águas, fazendo, no retorno, uma apresentação no Fórum Social Mundial de Porto Alegre, para mais de 70 mil pessoas.

Em 2004, fez a pré-produção do seu novo trabalho e a gravação do CD A Cidade do Lugar Nenhum, premiado espetáculo infantil. É classificado com a música "Cidade" parceria com Sérgio Napp no concurso sobre músicas de Porto Alegre. Em 2005 participa do Projeto Sonoras Energias, patrocinado pela AES Sul, em um roteiro por seis cidades do interior gaúcho, continua a pré-produção de seu novo CD, com canções inéditas, chamado de Lua Caiada, pelo selo homônimo. E começa a pesquisar, reunir, atualizar textos, crônicas, memórias e ensaios sobre cultura, que farão parte de um livro seu, a ser lançado esse ano.

Entre seus grandes sucessos estão: "Armadilha", "Verniz da Madrugada", "Tão Bonita Voz", "Ver-te Algo Teu", "Pátria Mãe", "Vim Vadiá", "Aquele Tempo do Julinho", "Legislativo", "Rapaz" e "Cristal".

GELSON OLIVEIRA

Com 30 anos de carreira, o compositor e cantor Gelson Oliveira recebeu na edição de 2010 do Prêmio Açorianos(principal prêmio para música do RS), dois troféus: o de melhor compositor e o de melhor produtor musical.
Natural de Porto Alegre, o cantor e compositor Gelson Oliveira, viveu por alguns anos em Gramado, onde trabalhou como artesão, chegando a entalhar vários Kikitos(Troféu do Festival do Cinema de Gramado). A exemplo de vários músicos brasileiros, Gelson também animou muitos “bailes da vida”, cantando e tocando sua guitarra em vários
grupos do gênero.

Animado com a cena musical da Porto Alegre nos anos 1970, Gelson resolveu apostar em suas composições e voltou a residir na capital Gaúch a. O ponto inicial de sua carreira foi em 1979, a partir do show “Lado a Lado”, que ele dividiu com o colega na época também novato, Nei Lisboa. Os dois fizeram uma temporada no teatro do Clube de Cultura, com sucesso de público e crítica.

Festejado por muita gente boa do estado e de outros pagos, Gelson acumulou em sua carreira vários álbuns gravados, assim como outros em parceria com colegas, além de participações especiais em trabalhos de amigos.

Entre prêmios, viagens, trilhas para cinema, televisão, dança e muito mais. Gravou e dividiu o palco com Gilberto Gil, Chico César, João Bosco, Guinga, Borguetinho, Antônio Villeroy, Nelson Coelho de Castro, Bebeto Alves, Vitor Ramil, Juliano Barreto, Hique Gomes, Geraldo Flach, Artur de Farias, Neto Fagundes, Ernesto Fagundes, Serginho Moáh, Marisa Rotenberg, Paulo Moura e Marcelo Delacroix entre outros.

Gelson já se apresentou nos seguintes paises: Uruguai, Argentina, França, Suíça, Itália, Áustria e Alemanha. O premiado programa infantil “Pandorga” da TVE-RS, que está a 20 anos no ar, tem como tema a música de Gelson “Papagaio Pandorga”, que pode ser ouvida em suas duas exibições diárias, de segunda a sábado.
























  



+ Veja a relação completa de notícias

<Voltar